Arquivo da tag: André Luiz

Três Conclusões

paisagem2
O tempo concedido ao Espírito para uma reencarnação, por mais longo, é sempre curto, comparado ao serviço que somos chamados a realizar. Importante, assim, o aproveitamento das horas.

Meditemos no gasto excessivo de forças em que nos empenhamos levianamente no trato com assuntos da repartição de outrem.

Quantos milhares de minutos e de frases esbanjamos por década, sem a mínima utilidade, ventilando temas e questões que não nos dizem respeito?

Para conjugar essa perda inútil, reflitamos em três Conclusões de interesse fundamental.

O que os outros pensam: Aquilo que os outros pensam é ideia deles. Não podemos usufruir-lhes a cabeça para imprimir-lhes as interpretações que são capazes diante da vida. Um indígena e um físico contemplam a luz, mantendo conceitos absolutamente antagônicos entre si. Acontece o mesmo na vida moral. Precisamos nutrir o cérebro de pensamentos limpos, mas não está em nosso poder exigir que os semelhantes pensem como nós.

O que os outros falam: A palavra dos amigos e adversários, dos conhecidos e desconhecidos, é criação verbal que lhes pertence. Expressam-se como podem e comentam as ocorrências do dia a dia com os sentimentos dignos ou menos dignos de que são portadores. Efetivamente, é dever nosso cultivar a conversação criteriosa; contudo, não dispomos de meios para interferir na manifestação pessoal dos entes que nos cercam, por mais caros nos sejam.

O que os outros fazem: A atividade dos nossos irmãos é fruto de escolha e resolução que lhes cabe. Sabemos que a Sabedoria Divina não nos criou para cópias uns dos outros. Cada consciência é domínio à parte. As criaturas que nos rodeiam decerto que agem com excelentes intenções, nessa ou naquela esfera de trabalho, e, se ainda não conseguem compreender o mérito da sinceridade e do serviço ao próximo, isso é problema que lhes compete e não a nós.

Fácil deduzir que não podemos fugir da ação nobilitante, a benefício de nós mesmos, mas não nos compete impor nas decisões alheias, que o próprio Criador deixa livres.

À vista disso, cooperemos com os outros e recebamos dos outros o auxílio de que carecemos, acatando a todos, mas sem perder tempo com o que possam pensar, falar e fazer. Em suma, respeito para os outros e obrigação para nós.

André Luiz

Do livro Estude e Viva, obra mediúnica psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.

REGRAS DE SAÚDE

  1. Guarde o coração em paz, á frente de todas as situações e de todas as coisas. Todos os patrimônios da vida pertencem a Deus.
  2. Apóie-se no dever rigorosamente cumprido. Não há equilibrio físico sem harmonia espiritual.
  3. Cultive o hábito da oração. A prece é luz na defesa do corpo e da alma.
  4. Ocupe o seu tempo disponível com trabalho proveitoso, sem esquecer o descanso imprescíndível ao justo refazimento. A sugestão das trevas chega até nós pela hora vazia.
  5. Estude sempre. A renovação das ideias favorece a evolução do espírito.
  6. Evite a cólera. Enraivecer-se é animalizar-se, caindo na sombra de baixo nível.
  7. Fuja da maledicência. O lodo agitado atinge a que o revolve.
  8. Sempre que possível, respire a longos hautos e não olvide o banho diário, mesmo que ligeiro. O ar puro é precioso alimento, e o banho revigora as energias.
  9. Coma pouco. A criatura sensata come para viver, enquanto a imprudente vive para comer.
  10. Use a paciência e o perdão infatigavelmente. Todos nós temos sido rigorosamente tolerados pela Bondade Divina, milhões de vezes, e conservar o coração no vinagre da intolerância é provicar a própría queda na morte inútil.

André Luiz – F.C.X.

coraçao

COM VOCÊ MESMO

natureza divina

Meu amigo, você clama contra as dificuldades do mundo, mas será que você já pensou nas facilidades em suas mãos?

Observemos:

Você concorre, em tempo determinado, para exonerar-se da multa legal, com expressiva taxa de consumo de luz e força elétrica; todavia, a usina solar que lhe fornece claridade, calor e vida, nem é assinalada comumente pela sua memória…

Você salda, periodicamente, largas contas relativas ao gasto de água encanada; no entanto, nem se lembra da gratuidade da água das chuvas e das fontes a enriquecer lhe os dias…

Você estipendia na feira, com apreciáveis somas, toda gênero alimentício que lhe atenda ao paladar; contudo, o oxigênio – elemento mais importante a sustentar lhe o organismo – é utilizado em seu sangue sem pesar-lhe no orçamento com qualquer preocupação…

Você resgata com aloja novos débitos, cada vez que renova o guarda-roupa e, apesar disso, nunca inventariou os bens que deve ao corpo de carne a resguardar-lhe o Espírito…

Você remunera o profissional especializado pela adaptação de um só dente artificial: entretanto, nada despendeu para obter a dentadura natural completa…

Você compra a drágea medicamentosa para leve dor de cabeça; todavia, recebe de graça a faculdade de articular, instante a instante, os mais complicados pensamentos…

Você gasta quantias inestimáveis para assistir a esse ou aquele espetáculo esportivo ou à exibição de um filme; contudo, guarda sem sacrifício algum a possibilidade de contemplar o solo cheio de flores e o Céu faiscante de estrelas…

Você paga para ouvir simples melodia de um conjunto orquestral; no entanto; ouve diariamente a divina musica da natureza, sem consumir vintém.

Você desembolsa importâncias enormes para adquirir passagens e indenizar hospedarias, sempre que se desloca de casa; não obstante, passa-lhe despercebido o prêmio vultuoso que recebeu com om próprio ingresso na romagem terrestre…

Não desespere e nem se lastime…

Atendamos à realidade, compreendendo que a alegria e a esperança, expressando créditos infinitos de Deus, são os motivos básicos da vida a erguer-se, a cada momento, por sinfonia maravilhosa.

André Luiz

Espíritos Diversos – F.C.X.

CHAVES LIBERTADORAS

imagem

Desgosto. Qualquer contratempo aborrece. No entanto, sem desgosto, a conquista de experiência é impraticável.

Obstáculo. Todo empeço atrapalha. Sem obstáculo, porém, nenhum de nós consegue efetuar a superação das provas deficiências.

Decepção. Qualquer desilusão incomoda. Todavia, sem decepção, não chegamos a discernir o certo do errado.

Enfermidade. Toda doença embaraça. Sem a enfermidade, entretanto, é muito difícil consolidar a preservação consciente da própria saúde.

Tentação. Qualquer desafio conturba. Mas, sem tentação, nunca se mede a própria resistência.

Prejuízo. Todo golpe fere. Sem prejuízo, porém, é quase impossível construir segurança nas relações uns com os outros.

Ingratidão. Qualquer insulto à confiança estraga a vida espiritual. No entanto, sem o concurso da ingratidão que nos visite, não saberemos formular equações verdadeiras nas contas de nosso tesouro afetivo.

Desencarnação. Toda morte traz dor. Sem a desencarnação, porém, não atingiríamos a renovação precisa, largando processos menos felizes de vivência ou livrando-nos da caducidade no terreno das formas.

Compreendamos, à face disso, que não podemos louvar as Dificuldades que nos rodeiem, mas é imperioso reconhecer que, Sem Elas, eternizaríamos paixões, enganos, desequilíbrios e desacertos, motivo pelo qual será justo interpretá-las por Chaves Libertadoras, que funcionam em nosso Espírito, a fim de que nosso espírito se mude para o que deve ser, mudando em si e fora de si tudo aquilo que lhe compete mudar.

André Luiz

VENCEREMOS!!

Do livro Paz e Renovação, obra mediúnica psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.